Acesse nosso site para saber das mais recentes noticias e informações da região - www.tvriachogrande.net - Para anunciar (11) 9945-4728/ (11) 7771-8810 ID: *125*109713- reinaldo@riachogrande.net

 
Desde Março de 2006 você é o visitante nº
Contador

GCM usa teatro de fantoches como ação preventiva em São Bernardo.

Bonecos são manipulados por integrantes da Guarda Civil Municipal e discutem temas como segurança urbana, trânsito e meio ambiente

A Guarda Civil Municipal de São Bernardo do Campo (GCM) criou um método próprio para se comunicar com as crianças da rede municipal de ensino. Os guardas da corporação, que fazem a ronda nas escolas, resolveram conversar com as crianças através de fantoches, por acreditar que de forma lúdica, e com a figura dos bonecos, poderiam passar mensagens construtivas. A experiência deu certo e assim nasceu o Grupo de Teatro de Fantoches da GCM. Hoje os bonecos debatem com as crianças temas que elas vivenciam no cotidiano, como segurança urbana, trânsito e meio ambiente.
Os temas são apresentados de forma preventiva como explica a coordenadora do grupo teatral, a guarda civil municipal Rosangela Brito Correia. "A intenção é atuar preventivamente, tratando o problema pela raiz ou até mesmo antes de ser pensado", revelou. Segundo a coordenadora, o método é eficaz pois envolve todos os sentidos da criança, levando-as a interagir com os bonecos numa linguagem simples e adequada para a faixa etária de 5 a 10 anos, sempre com muito bom humor.
O retorno das crianças é imediato, conta Rosangela. "Isso mostra que elas absorvem bem a mensagem". A GCM relata também que ao retornar às escolas, observa que as crianças vivenciam a fantasia dos bonecos no seu cotidiano escolar, cobrando do coleguinha que não jogue lixo no chão, que seja solidário, entre outros pontos positivos.
A aluna da Emeb Kazuê Fuzinaka, Aline Lopes, de 7 anos, vibrou com a apresentação e disse que aprendeu que não se deve poluir as águas e nem jogar lixo no chão. "Não quero ser como o Churuminho se referindo ao personagem que gosta de sujar a cidade jogando lixo por onde passa.
Já o garoto Omar dos Santos, de 6 anos, destacou a apreensão de animais silvestres, abordado na peça. "O caçador vendeu a jaguatirica como sendo um gato. Isso não é certo. Se quiser um gato, peço para minha mãe adotar um", argumentou o aluno.
Outro aspecto importante destacado pela GCM, é que independente da idade, este trabalho funciona como interventor no meio social e aproxima o guarda civil da comunidade, resgata os laços de confiança entre o agente uniformizado e armado com o cidadão.

O grupo
O Grupo de Teatro de Bonecos da GCM, criado há três anos, tem dois espetáculos prontos, "O Caçador de Jaguatirica", que fala sobre a preservação do Meio Ambiente e a "Travessia Encantada", que trata de problemas relacionados ao trânsito, com roteiro assinado pelo próprio elenco. O grupo também faz adaptações para outros temas se solicitado. Para este ano, a intenção é estreitar a parceria com a Secretaria de Educação do município e cobrir todas as escolas da rede municipal.

O pedido para apresentações é feito pelo e-mail : teatro.gcm@saobernardo.sp.gov.br ou pelo telefone 4126-3930.
Agenda

Dia 24/5, às 14h
Creche Padre Dehon - Estrada do Cocaia, 1238 – Riacho Grande
Dia 25/4, às 9 e às 14h

Emeb Tales de Andrade

Rua Austrália, 80 – Jd. Sto Ignácio

Dia 30/4, às 9h30

Creche Pequeninos do Futuro – Shekinah

Rua Fábio da Silva Prado, 115 – Vila Flórida

Dia 30, 15h

Creche José Cataldi

Rua João Gerbelli, 330 - Demarchi

 
 
 
 
 



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Todos os direitos autorais ,textos, imagens , obras ou criações de qualquer natureza disponibilizadas neste site, pertencem à www.riachogrande.net ou a terceiros que autorizaram o uso de sua propriedade intelectual e de imagens.
Sendo assim, é terminantemente vedada a distribuição, representação, publicação, uso comercial e/ou utilização de tais materiais, no todo ou em parte, sem a citação da fonte utilizada.
A violação destes direitos é crime, e seu infrator está sujeito às penalidades legais previstas nas Leis 9.610/98 e 9.279/96 e no art. 184 do Código Penal Brasileiro, bem como ao pagamento de indenização pelos prejuízos causados.